Uma Entrevista com Jessica Adams: Enfermeira, Assistente Social, e Voluntária Global

0

Poucos de nós agarramos a oportunidade de trazer mudanças positivas através do trabalho prático em comunidades ao redor do mundo. Mas, para a vice-enfermeira-chefe Jessica Adams, it is a dream come true. Whether it’s volunteering to help victims of Hurricane Katrina, offering medical services in the Dominican Republic, or even supporting local groups in her hometown in Florida, Adams is passionate about using her expertise as a nurse to educate and empower. Though she graduated as a political scientist, Adams turned to enfermagem following her experience working with a youth development organization in New Orleans. She intended to pick up some practical skills, but had no idea that her new career would become a huge part of her identity.

Through humanitarian trips, Adams has traveled widely within and outside the US, serving in regions that do not have easy access to saúde facilities and resources. She trabalha como voluntário médico com a Global Livingston Foundation, uma organização que ajuda a organizar o festival iKnow, a series of music concerts focused on HIV awareness in Uganda. The annual event, now in its 5th year, aims to reduce the stigma surrounding HIV and promote sexual health awareness. Adams, along with a team, offers on-site tests, medical examinations and counseling. Last year, to assess the impact of the festival, her team did a pilot study, but found that a standard assessment tool could not be applied to the geographically and culturally diverse communities in the area. They needed a more rigorous study design and had to be certain that they were adopting the right statistical techniques. They were also on the verge of applying for various nursing research grants and wanted to make a strong case for it.

No final de 2017, Adams procurou a ajuda de Kolabtree para encontrar um especialista que pudesse ajudá-los a randomizar e estratificar seu estudo, ao mesmo tempo em que verificava se seus métodos de coleta de dados e tamanhos de amostra eram precisos. Ela consultou com sucesso um cientista interdisciplinar altamente experiente, Dr. Dlorah Jenkinsque tinha ampla experiência em análise e projeto de coleta de dados. Embora o prazo para o projeto fosse de seis semanas, a Dra. Jenkins forneceu à Adams e sua equipe um projeto robusto e confiável para seu estudo dentro de dez dias. Graças a isso, a equipe da Adams pôde solicitar várias bolsas de enfermagem dentro do prazo. Eles também puderam solicitar financiamento contínuo da AIDS Healthcare Foundation. Se forem premiados com uma bolsa de pesquisa, eles implementarão o projeto de estudo da Dra. Jenkin em sua base domiciliar, Kabale, com uma comunidade de controle. O modelo do Dr. Jenkin não só os ajudará a medir com precisão a eficácia de sua iniciativa, mas também poderá ser replicado em outros lugares e com outras questões de saúde.

Nós de Kolabtree temos a humildade de ter desempenhado um papel, por menor que seja, de facilitar um projeto que tem o potencial de mudar tantas vidas. Tivemos a oportunidade de entrevistar Adams, que acreditamos ter levado uma vida longe do comum. Eis o que ela tem a dizer sobre sua trajetória profissional única, seu trabalho em Uganda, e a alegria de retribuir.
1. Você já serviu em cenários internacionais, como a República Dominicana e Uganda. O que o inspirou a trabalhar com populações vulneráveis e sub-servidas? 
My role as a Deputy for the Sheriff’s Office working in the jail focused on “care, custody, and control”. As a political science student at the time, I had really begun to look at the larger picture as it involved crime, punishment, mental illness, ethics, inequality, discrimination, stigma, and all of these interrelated issues that create and frame our societal problems. I didn’t feel like I was part of a solution to the problem at that time. I just felt like I was there to contain them, so to speak, and I wasn’t satisfied with that.
2. Como tem sido sua experiência como parte do festival iKnow? Como os concertos têm ajudado as pessoas afetadas pelo HIV?
Ela veio com uma gigantesca curva de aprendizado! O processo de desenvolvimento internacional pode ser muito confuso, pois você está trabalhando em ambientes desconhecidos e lidando com uma mistura de várias culturas e idiomas. O plano parece se unir e desmoronar regularmente e você só tem que ser flexível.
Our work has helped selected communities in rural Uganda by creating an opportunity for many of the local residents to access free on-site HIV testing, as well as a growing number of other free cuidados com a saúde services such as cervical cancer screening, family planning, male circumcision, blood pressure screening, and more. The event, itself, contributes to stigma reduction by normalizing the discussion surrounding HIV, condom use, and sexual health while reaffirming the idea that “knowledge is power”. Those that do test positive for HIV are immediately linked to care through our local NGO partners.


Adams com sua equipe em Uganda

3. Sua equipe está solicitando uma bolsa do NIH. Se o pedido for bem sucedido, que impacto terá em seu trabalho em Uganda? 
Na verdade, recentemente não acabamos solicitando um subsídio do NIH, embora continuemos empenhados em trabalhar para atingir esse objetivo. Em vez disso, solicitamos várias bolsas de pesquisa de enfermagem, além de financiamento contínuo com alguns de nossos parceiros estabelecidos, tais como a AIDS Healthcare Foundation. Se financiados através das bolsas de pesquisa de enfermagem este ano, planejamos realizar um estudo destinado a medir o impacto de nosso trabalho na redução do estigma em nossa comunidade de base de Kabale - onde produzimos o Festival de Música "iKnow" HIV Awareness Music Festival há 4 anos - com uma comunidade de controle que não está familiarizada com nossa iniciativa. Ser capaz de mostrar que nosso public health model is an effective stigma reduction intervention will be a huge step toward our goal of establishing what we do as a successful model for replication for use in other places and with other health issues.
4. Você teve um percurso profissional incomum - de xerife a enfermeiro a estudante de doutorado. Adoraríamos saber mais sobre sua jornada. 
Eu realmente vim para Nova Orleans como voluntário da AmeriCorps após o Furacão Katrina. Eu tinha acabado de me formar em Ciência Política e já sabia que estava na hora de deixar a lei para trás. Vim para cá e trabalhei com uma organização chamada YouthBuild que auxilia jovens em situação de risco, ensinando habilidades comerciais e ajudando-os a trabalhar para seus GEDs. Foi uma boa experiência, mas o financiamento para o programa acabou. Percebi que minha experiência na aplicação da lei não se traduziu realmente em muitas outras habilidades que foram úteis nesta comunidade, pois ela estava em processo de reconstrução. Na verdade, isto foi ao mesmo tempo que a recessão econômica. Escolhi a enfermagem, não só porque era um conjunto sólido de habilidades práticas, mas também porque acreditava que seria capaz de encontrar um emprego em um mercado de trabalho que não era confiável na época. Embora a mudança tenha sido calculada para mim, acabou sendo a melhor coisa que eu poderia ter escolhido para fazer com minha vida. Eu nunca esperei amar a enfermagem da maneira que eu amo. É realmente notável a rapidez com que ser enfermeira se entrelaçou em minha identidade. É quem eu sou agora.
5. Como outros profissionais da área médica podem se envolver na busca de comunidades com atendimento deficiente? 
Voluntário! Em minha experiência, há sempre, sempre, sempre trabalhar para as pessoas que estão dispostas a fazê-lo. Sou voluntário localmente com uma organização chamada Street Medicine que presta serviços de saúde e tenta conectar as pessoas das comunidades sem-teto aos serviços necessários. Também pertenço a numerosas organizações profissionais e tenho me envolvido mais na política de saúde, servindo em conselhos, comissões, etc. É absolutamente imperativo para nós termos voz nestes tempos.
——
Kolabtree é uma plataforma que acredita em tornar a experiência dos cientistas acessível e acessível. Este é um projeto que, a nosso ver, demonstra claramente o o poder da colaboração transfronteiriça. Você pode apoiar o trabalho de Adams aqui.

Kolabtree helps businesses worldwide hire freelance scientists and industry experts on demand. Our freelancers have helped companies publish research papers, develop products, analyze data, and more. It only takes a minute to tell us what you need done and get quotes from experts for free.

LEIA TAMBÉM  [Infográfico] Cinco razões pelas quais um PhD deve ser freelancer

Unlock Corporate Benefits

• Secure Payment Assistance
• Onboarding Support
• Dedicated Account Manager

Sign up with your professional email to avail special advances offered against purchase orders, seamless multi-channel payments, and extended support for agreements.


Compartilhe.

Sobre o Autor

Ramya Sriram gerencia conteúdo digital e comunicações em Kolabtree (kolabtree.com), a maior plataforma freelancer do mundo para cientistas. Ela tem mais de uma década de experiência em publicação, publicidade e criação de conteúdo digital.

Deixe uma resposta