Tecnologia Vestível: Mudando a face da saúde

0

Tecnologia vestível demonstrates the power of the Internet of Things (IoT) and its immense benefits, especially in saúde. The IoT facilitates collection of data from sensor-enabled devices and brings  information right to your fingertips, with a few taps on your smartphone apps. In the age of Google Home and Amazon Echo, the IoT has enabled us to walk into a room, and be able to control the thermostats, oven, lights and even laundry settings. Aprendizagem da máquina pode ajudar a prever a atividade do usuário, o que pode ditar ainda mais a ação do dispositivo. Esta tecnologia inteligente tem entrado constantemente no reino da saúde, dando-nos a "Internet Médica das Coisas", também conhecida como MIoT.

Durante a última década, temos visto um aumento sem precedentes no uso de biosensores–Fitbit, Apple Watch and other similar gadgets. Allied Pesquisa de mercado projects a net value of $136.8 billion worldwide by 2021 for the MIoT. This would make MIoT the single largest category, constituting a solid 40%, of the total IoT.  Wearable biosensors are user friendly and easily integrable into regular lifestyle and practices. While the wrist band sensors which measure the basic parameters (heart rate, calories burnt) are one of the most popular type of MIoT gadget, the technology space has been continuously evolving to include a wider variety of wearable biosensors.

Soutiens e palmilhas inteligentes

Eletrônicos integrado ao têxtil and clothing, can provide a much more comprehensive coverage of bodily parameters. For instance, the embedded sensors in a smart bra can monitor electrocardiogram (ECG) from the heart directly, heart rate variability and incorrect body postures. Currently, ensaios clínicos are underway to develop advanced smart bras that may assist early detection of breast cancer. The smart bra will rely on monitoring circadian temperature changes in the breast and increase in vascularity from hemoglobin using light/sound signals. Another example is smart insoles for shoes that can monitor impact force and gait to help detect and correct motion abnormalities in people post-orthopedic procedures on the spine or foot.

Tatuagem Técnica

Uma próxima categoria de eletrônica epidérmica que traz a tecnologia wearable em contato robusto com a pele é a "tatuagem técnica”. As tatuagens temporárias foram desenvolvidas pela primeira vez como um desenho de stick-on em membranas que imitam a flexibilidade mecânica da pele. A última versão destas tatuagens permite a gravação permanente com tintas de bio-sensing sobre a pele; convertendo-a em uma interface tecnológica. Estas tatuagens monitoram e mudam de cor em resposta a mudanças nos níveis de glicose no sangue, níveis de hidratação e exposição excessiva à radiação UV.

Lentes de contato inteligentes

A mais recente adição aos aparelhos para vestir é um lentes de contato inteligentes. Testadas com sucesso em coelhos até agora, as lentes macias feitas de nanomateriais extensíveis transparentes, podem detectar aumento nos níveis de glicose nas lágrimas, em tempo real. Algumas aplicações futuras das lentes de contato inteligentes incluirão a medição da pressão ocular e mudanças estruturais na córnea que podem afetar a visão.

De onde vem este boom em tecnologia wearable? Tradicionalmente, as práticas médicas têm se concentrado em uma abordagem curativa em vez de uma estratégia preventiva. O custo crescente da saúde tem agora empurrado as práticas preventivas para o palco central, com biosensores vestíveis bem no centro. Os dispositivos fáceis de usar, portáteis e funcionais ajudam o usuário a monitorar seu bem-estar básico, sem ter que fazer aquela viagem até o consultório médico. Coletivamente, a demanda individual junto com a pressão para controlar os custos de saúde incentiva o uso de biossensores vestíveis. Acessórios como o Apple Watch podem levar sua vida digital (mídias sociais, e-mail, mensagens e atualizações) diretamente ao pulso, ganhando assim pontos adicionais de brownie do usuário.

A tecnologia vestível está aqui para ficar. Ela só vai crescer cada dia mais e mais. Gradualmente, o MIoT está invadindo nosso espaço doméstico, como um biosensor passivo. Apesar de sua portabilidade, os dispositivos vestíveis devem ser transportados em pessoa e podem medir apenas tantos parâmetros. Entretanto, quando combinado com um plano doméstico inteligente, um perfil de dados de saúde abrangente pode ser mantido em uma nuvem digital, que pode ser retransmitida ao seu profissional de saúde no caso de qualquer anomalia importante de padrão. As casas inteligentes podem facilitar o monitoramento passivo de líquidos biológicos com medições de fatores que vão desde hábitos alimentares até análises de urina e fezes. Os produtos de saúde doméstica inteligentes variam de distribuidores de pílulas inteligentes a ambiente doméstico inteligente baseado em nuvens plataformas, que incluem robôs que podem incitar os pacientes a beber mais água se desidratada, ou ajudar uma pessoa a pedir ajuda no caso de uma queda.

Sem dúvida, fornecer acesso às empresas de tecnologia que lidam com todos estes dados pessoais para materializar este futuro vem com as devidas preocupações. Será necessário rever as atuais políticas federais e medidas legislativas para segurança de dados e garantir a proteção da privacidade dos indivíduos. A tecnologia usada na saúde será particularmente crucial para pessoas com doenças crônicas, participantes de ensaios clínicos e idosos, cujos sinais vitais corporais precisam ser monitorados mais regularmente. Pode levar algumas décadas para chegarmos lá, mas o revolucionário MIoT pode potencialmente tornar-se um dia o futuro da saúde.


A Kolabtree ajuda empresas em todo o mundo a contratar especialistas sob demanda. Nossos freelancers têm ajudado empresas a publicar artigos de pesquisa, desenvolver produtos, analisar dados e muito mais. Leva apenas um minuto para nos dizer o que você precisa fazer e obter cotações de especialistas gratuitamente.


Compartilhe.

Sobre o Autor

Maya Raghunandan obteve seu Ph.D em Bioquímica e Biologia Molecular na Universidade de Minnesota, cidades Twin, EUA. Atualmente, ela é cientista em biologia do câncer na Université Catholique de Louvain, Bruxelas, Bélgica. Em seu tempo livre, ela escreve sobre descobertas científicas legais em seu blog livre de jargões http://www.sciencesnippets.org/. Porque, a ciência não precisa parecer complicada. Em vez disso, ela deve ser compreensível para todos.

Deixe uma resposta