Como a tecnologia alimentar está combatendo a fome no mundo

0

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura estima que quase 800 milhões de pessoas no mundo sofrem de inanição crônica. Embora a tecnologia alimentar tenha sido fortemente associada à produção de doces, salgadinhos e alimentos processados, este campo técnico também tem sido importante no desenvolvimento de soluções para enfrentar a fome mundial. Aqui estão alguns exemplos de vanguarda de como a tecnologia alimentar pode potencialmente resolver as questões de desnutrição e fome em todo o mundo.

Alimentos Terapêuticos Prontos para Uso

A desnutrição aguda severa (SAM) é uma condição de risco de vida que afeta quase 16 milhões de crianças pequenas em todo o mundo. Essas crianças têm nove vezes mais probabilidade de morrer em comparação com as crianças nutridas. Para combater esta epidemia global de desnutrição, alimentos terapêuticos prontos para uso (RUTF) foram desenvolvidos para fornecer terapia nutricional em casa, utilizando materiais de baixo custo e baixa umidade. Usando amendoins como base proteica e lipídica, os RUTFs contêm vitaminas e minerais, açúcares e outros aditivos protéicos como soro de leite ou leite em pó para uma composição completa de aminoácidos. Os RUTFs são projetados para serem de fácil digestão, serem densos em nutrientes, manterem uma longa vida útil a partir do baixo teor de umidade, não requerem refrigeração e são embalados para facilitar o transporte e o armazenamento. Várias organizações competem por contratos de fornecimento com a UNICEF, incluindo MANA Nutrition, Valid Nutrition e Nutriset, que fornece o Plumpy'Nut, altamente bem sucedido.

Reator Proteico

Pesquisadores de um estudo conjunto entre a Universidade Lappeenranta de Tecnologia (LUT) e o Centro de Pesquisa Técnica VTT da Finlândia encontraram uma maneira de produzir proteína sintética usando eletricidade a partir de recursos renováveis. O processo envolve a aplicação de uma corrente elétrica através de uma mistura de água, dióxido de carbono e microorganismos. Após duas semanas, o biorreator produz um grama de alimento cru contendo 50% de proteína, 25% de carboidratos e 25% de lipídios e ácidos nucléicos. Como o processo é contínuo e independente das condições ambientais que podem afetar os métodos agrícolas de produção de alimentos, ele pode ser usado para ajudar a alimentar pessoas que sofrem de fome e inanição. Ainda em seus estágios iniciais de desenvolvimento, o objetivo do projeto é produzir alimentos ambientalmente sustentáveis com maior eficiência energética do que as práticas agrícolas atuais.

Alimentos em pó

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, um terço de todos os alimentos produzidos no mundo é perdido ou desperdiçado, sendo que frutas e vegetais sofrem o maior desperdício de todos os alimentos.  FoPo Food Powder é o filho cérebro de uma equipe internacional da Universidade de Lund. O startup coleta frutas e vegetais de baixo custo perto de seu vencimento nas fazendas e os transforma através da secagem por pulverização em um produto estável na prateleira que pode durar até dois anos. Na forma de pó, o produto pode ser facilmente transportado enquanto ainda mantém o conteúdo nutricional do produto original. A equipe recentemente competiu e ganhou o Thought for Food Challenge, e completou uma campanha bem-sucedida de arrecadação de fundos através do Kickstarter.

Cricket Farming

A entomofagia, ou a ingestão de insetos, está se tornando uma tendência quente como solução sustentável para aliviar a fome no mundo. Em 2013, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura escreveu um relatório que mostrou que os alimentos baseados em insetos continham altos níveis de nutrientes essenciais, incluindo uma composição proteica completa. Usando este conhecimento, empresas iniciantes como Exo, Bitty Foods, Six Foods, Aspire e Entomo Farms estão tentando desenvolver e fornecer produtos alimentícios baseados em cricket para o consumo humano. O principal ingrediente utilizado nestes produtos é a farinha de grilo, que é uma proteína em pó derivada de grilos torrados e combinada com uma farinha normal para o fluxo. No entanto, um grande desafio no mercado de insetos comestíveis inclui a mudança da cultura alimentar predominante que vê a ingestão de insetos como um tabu. Além disso, ainda falta conhecimento técnico sobre como o cricket em pó se comporta em um alimento, pois os lipídios do cricket em pó produzem sabores fora do ambiente durante o armazenamento.

Microalgas

Com uma população crescente de pessoas no mundo, haverá uma maior necessidade de alimentos com alto teor de nutrientes. Um estudo recente foi concluído que sugere que as microalgas podem ser uma das muitas soluções potenciais para o desafio da abundância e sustentabilidade dos alimentos. As microalgas apresentam um alto conteúdo nutricional, completo com ácidos graxos ômega-3 e aminoácidos. Por exemplo, as microalgas spirulina contêm um teor de proteína de 65% seu peso seco total. As microalgas podem ser facilmente cultivadas utilizando dióxido de carbono e luz solar em lagos abertos, utilizando água doce ou salgada. Alternativamente, elas podem ser cultivadas em fotobioreatores, usando LEDs como fonte de luz. Estes têm a vantagem de serem empilháveis e independentes da mudança da luz solar, proporcionando uma forma de escalar a produção de alimentos verticalmente. Entretanto, são necessários novos processos para converter as microalgas em um produto comestível consumível por humanos. E empresas como a Corbion (anteriormente TerraVia and Solazyme), are still facing technological issues when growing microalgae to scale, as well as segurança alimentar challenges with the recent backlash from consumers due to incidences of gastrointestinal distress when their algal flour was used in Soylent’s product.

Drone comestível

Há uma grande quantidade de recursos envolvidos no fornecimento emergencial de alimentos em regiões carentes de alimentos e inacessíveis. O custo de uma gota aérea é estimado em $1.000 por tonelada de alimentos, o que inclui combustível, transporte aéreo, materiais, embalagens de caixas e pára-quedas. Para reduzir este desperdício, Nigel Gifford começou Aeroespacial Windhorse para projetar o primeiro zangão descartável e comestível a servir em missões de ajuda humanitária. Chamado de Pouncer, o drone é largamente construído de materiais alimentícios, com seu corpo principal e asas cheias com uma variedade de alimentos. A estrutura restante é feita de madeira, que pode ser usada como combustível para cozinhar e aquecer. Entretanto, o drone comestível tem recebido críticas por sua má execução e falta de percepção dos problemas envolvidos com a ajuda humanitária.

Embora nenhuma dessas tecnologias resolva sozinha a crise mundial da fome, cada uma delas pode contribuir à sua maneira para o crescente desafio à medida que a população global continua a aumentar.

______

Necessidade de falar com um especialista em tecnologia de alimentos? Consulte Bryan Le para um projeto freelance aquiou dê uma olhada no Kolabtree's cientistas alimentares freelance.


A Kolabtree ajuda empresas em todo o mundo a contratar especialistas sob demanda. Nossos freelancers têm ajudado empresas a publicar artigos de pesquisa, desenvolver produtos, analisar dados e muito mais. Leva apenas um minuto para nos dizer o que você precisa fazer e obter cotações de especialistas gratuitamente.


Compartilhe.

Sobre o Autor

Bryan Le é atualmente Bolsista de Pós-Graduação em Ciência e Medicina e estudante de PhD no Departamento de Ciência de Alimentos da Universidade de Wisconsin-Madison. Ele está estudando os efeitos benéficos e o mecanismo de ação dos compostos de sabor encontrados na cebola e no alho. Ele escreveu e editou artigos para o premiado blog Science Meets Food, patrocinado pelo Institute of Food Technologists Student Association, e é apaixonado por comunicar a ciência ao público em geral. Bryan é Mestre e Bacharel em Química pela Universidade da Califórnia, Irvine. Entre em contato com bryanquocle(at)gmail(dot)com, e saiba mais sobre seu trabalho em bryanquocle.journoportfolio.com

Deixe uma resposta