As vacinas causam autismo? Novo Estudo Kolabtree Explora Opiniões Públicas

0

O tema das vacinas e do autismo é um tema que divide as pessoas e evoca um grande debate acalorado. Será que as vacinas causam autismo? O que diz a ciência? E o que o público britânico realmente acredita? Em nosso novo estudo, sondamos a opinião pública para ver como a ciência pode ser pervasiva e má.

Informações médicas imprecisas ou enganosas são perigosas. Pode impedir que as pessoas recebam a atenção médica de que necessitam e pode levar alguém a agir de uma forma que está longe de ser ótima para sua saúde. Como uma fonte declara, the “broad dissemination and consumption of false or misleading health information, amplified by the internet, poses risks to public health and problems for both the saúde enterprise and the government.”

Ao discutir informações médicas enganosas e mitos de saúde em geral, não há melhor exemplo do que o da ligação entre as vacinas e o autismo. O tema provoca muita paixão e, em muitas situações, raiva. Para entender a percepção do público sobre as vacinas e se elas causam ou não autismo, a equipe da Kolabtree conduziu um estudo. Isto procura explorar como a desinformação médica é difundida, como a informação médica enganosa e perigosa pode ser difundida e o papel que a Internet desempenha na difusão desta informação.

As vacinas causam autismo?

Antes de continuarmos a analisar as razões por trás do estudo e o que ele revelou, sentimos a necessidade de discutir a ciência. Será que as vacinas causam autismo?

A resposta curta é não. As vacinas não causam autismo. Houve um grande estudo recente de coorte populacional que confirmou, mais uma vez, que há nenhuma ligação comprovada entre o autismo e a vacina MMR. Mas este estudo está longe de ser um estudo isolado. Ao longo dos anos, muitos estudos de renome foram realizados e há, até o momento, nenhuma conexão provável entre o autismo e o MMR. 

Em um mundo ideal, este conhecimento seria suficiente para colocar a mente de um pai em repouso, e ainda assim o vínculo MMR-autismo continua a perdurar e os estudos continuam a ser realizados, consumindo valioso tempo de pesquisa e financiamento que poderia ser usado para fazer avanços no autismo. Mas por que esta conexão ainda é tão difundida? De onde veio este mito de saúde em primeiro lugar?

Por que as pessoas acreditam que as vacinas causam autismo?

Este mito médico nasceu em 1997, após a publicação de um estudo do cirurgião britânico Andrew Wakefield. O artigo foi publicado no The Lancet, uma prestigiosa revista médica, e sugeria que a vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR) estava aumentando a ocorrência de autismo em crianças britânicas.

O estudo em questão envolveu oito crianças. Isto é notável quando consideramos as conseqüências que eventualmente aconteceriam, e destaca a importância de proteger o público de informações médicas falsas. O estudo foi imediatamente refutado e desacreditado devido a graves erros processuais, violações éticas e conflitos de interesse financeiros não revelados. O trabalho foi retirado do The Lancet e Wakefield perdeu sua licença médica. 

Infelizmente, o dano foi feito. Pais aterrorizados tinham ouvido a notícia e tinham começado a atrasar, ou a recusar totalmente, a vacinação para seus filhos. A vacina a absorção na Grã-Bretanha despencou. Ainda hoje, o número de pediatras que relatam recusas de vacinas tem aumentou significativamente. Desde o artigo publicado no The Lancet, os rumores correm de forma desenfreada e a desinformação tem sido difundida e ampliada pela Internet.

Por que realizamos este estudo

Com este estudo, quisemos obter um reflexo preciso das atitudes das pessoas em relação a este mito de saúde. A preocupação com o MMR jab parece ser particularmente pertinente hoje em dia, uma vez que o O Reino Unido perdeu recentemente seu status de "livre de sarampo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), três anos após o vírus ter sido eliminado no Reino Unido. Hoje, apenas 87,2% de crianças britânicas têm sua segunda dose do jab, contra 88,6% em 2014-2015. Houve 231 casos confirmados de sarampo no Reino Unido no primeiro trimestre de 2019.

Como especialistas e pesquisadores médicos, quisemos explorar se as pessoas realmente acreditam que as vacinas causam autismo e examinar se, na era da mídia social, o público é mais facilmente enganado pela desinformação médica. Finalmente, queríamos descobrir se a Atualização de medicamentos tem tido um impacto significativo no número de pessoas que vêem e são influenciadas por informações médicas imprecisas sobre as vacinas.

Abaixo, discutimos as perguntas que fizemos ao público e as respostas que foram fornecidas.

1. Você acredita que as vacinas causam autismo?

Os resultados desta pergunta são bastante reconfortantes. De nosso tamanho de amostra, parece que a maioria das pessoas acredita firmemente que não há conexão entre a vacina MMR e o autismo.

Ao observar a diferença entre os pontos de vista de homens e mulheres, há uma pequena, mas insignificante diferença. Mais mulheres (66,5%) do que homens (63,9%) responderam que não acreditam em nenhuma relação de causalidade. 

De acordo com nossas pesquisas, a faixa etária que mais provavelmente acredita que as vacinas causam autismo são aquelas com idade entre 35 e 44 anos (11%). Neste grupo, 16% dos homens disseram acreditar que as vacinas causam autismo em comparação com apenas 4,7% das mulheres. No entanto, as mulheres tendem a ser mais incertas. Desse grupo etário. 32,3% das mulheres disseram que não têm certeza sobre o relacionamento - em comparação com apenas 15% dos homens. 

O que é ligeiramente preocupante sobre estes dados é o número de pessoas que estão indecisas sobre a relação entre as vacinas e o autismo. Apesar dos estudos e fatos disponíveis, algumas pessoas têm espaço para dúvidas. Na verdade, se somarmos aqueles que acreditam que há é uma conexão entre o autismo e as vacinas e aqueles que estão incertos, podemos ver que 34,7% da população foi afetada negativamente por informações médicas falsas.

2. Você acredita que os perigos das vacinações superam os benefícios?

Como podemos ver, 62,6% das pessoas acreditam que os perigos das vacinas não superam os benefícios. Entretanto, 16,5% das pessoas acreditam que os perigos são muito arriscados, enquanto 21% são incertos.

Incrivelmente, enquanto apenas 12.4% das mulheres disseram acreditar que os perigos das vacinas superam os benefícios oferecidos, um notável 20.6% dos homens em nossa pesquisa disse que eles acreditam que os perigos superam os benefícios.

Aqueles com mais de 65 anos são os mais inclinados a acreditar que as vacinas são mais perigosas do que benéficas (29,5%). Quando comparamos isto com os 7.8% de 25-34 anos de idade que acreditam o mesmo, podemos afirmar claramente que quanto mais jovem a geração, mais confortáveis os participantes estavam com a segurança das vacinas. 

3. Você já viu pessoalmente algum conteúdo anti-vacina em uma ou mais das seguintes plataformas?

Nossos resultados revelaram que, em geral, as pessoas não estão vendo muito material anti-vax nas mídias sociais, mas quando vêem, é predominantemente no Facebook.

Nossos resultados também mostraram que mais jovens (particularmente os de 18-24 anos) viram conteúdo anti-vacinação nas mídias sociais. Isto é provável porque eles estão gastando mais tempo nestas plataformas. Aqueles que viram a menor quantidade de conteúdo nestas plataformas têm mais de 65 anos de idade.

4. Você acha que o posto abaixo é uma fonte credível de informações sobre vacinas?

A maioria de nossos participantes desconfiava desta conta na mídia social, com 90.9% dizendo que ela não é uma fonte de informação confiável. Apenas o 9.1% acredita que ele é confiável.

Enquanto tanto homens como mulheres, na sua esmagadora maioria, pensam que esta é uma fonte de informação pobre, mais mulheres (94.2%) do que homens (87.2%) acreditam que este seja o caso.

5. Você acha que a conta na figura abaixo é uma fonte credível de informações sobre vacinas?

Como na pergunta anterior, podemos ver que a maioria das pessoas é crítica aos relatos da mídia social anti-vax, com 86,5% de pessoas acreditando que esta não é uma fonte confiável de informação sobre vacinas, contra apenas 13,5% que acham que é.

6. Facebook, Google, Amazon e outras empresas se comprometeram a reduzir a visibilidade das informações anti-vacinas. Você vê menos conteúdo anti-vacinas online agora?

Depois que os médicos questionaram se empresas como Google, Facebook e Amazon compartilhar parte da culpa na ascensão de crianças não vacinadas, essas mesmas empresas concordaram em tomar medidas para limitar a disseminação dessa desinformação. Parece que, em geral, as pessoas não estão conscientes desta mudança, com 72,4% de pessoas dizendo que não têm certeza se estão vendo mais ou menos conteúdo relacionado às vacinas e ao autismo. 17.8%, no entanto, tornaram-se conscientemente conscientes de menos conteúdo anti-vax nas mídias sociais, o que é um primeiro passo positivo e notícias promissoras para a informação médica em geral.

O que aprendemos com este estudo

Em última análise, este estudo foi tranquilizador ao confirmar que a maioria das pessoas parece ter uma cabeça de nível quando se trata da ciência das vacinas MMR e do autismo. A maioria das pessoas não acredita na relação e não é influenciada por relatos enganosos da mídia social. O fato de que há tantas pessoas que parecem indecisas, no entanto, é preocupante. Além disso, apóia que é vital que empresas como Google, Facebook e Amazon tomem medidas para evitar que as pessoas se exponham a conteúdos médicos enganosos - e perigosos.


Você está procurando um cientista profissional qualificado que possa ajudá-lo a realizar estudos de pesquisa ou verificar informações?
Contratar cientistas freelance em Kolabtree e tenha certeza de que seu projeto está em mãos capazes.


Encontre trabalhos médicos dos principais empregadores. 


A Kolabtree ajuda empresas em todo o mundo a contratar especialistas sob demanda. Nossos freelancers têm ajudado empresas a publicar artigos de pesquisa, desenvolver produtos, analisar dados e muito mais. Leva apenas um minuto para nos dizer o que você precisa fazer e obter cotações de especialistas gratuitamente.


Compartilhe.

Sobre o Autor

Ramya Sriram gerencia conteúdo digital e comunicações em Kolabtree (kolabtree.com), a maior plataforma freelancer do mundo para cientistas. Ela tem mais de uma década de experiência em publicação, publicidade e criação de conteúdo digital.

Deixe uma resposta